terça-feira, 23 de junho de 2009

Reflexões de um Sistema Operativo

Muito se escreveu em artigos e blogues sobre o porquê usar Linux...

Estas foram (leia-se: são) as minhas razões:

- não preciso de ter antivirus instalado, ou pelo menos não quero tê-lo, já que a grande maioria de virus existentes são para Window$, e com uma utilização responsável e com sentido comun é mais um motivo para não o ter...

- Linux é grátis assim como practicamente todos os programas de uso geral, incluido muitos jogos

- sendo gratuitos os programas, não preciso de andar a procurar serial ou cracks como se costuma fazer no window$, daí menos uma via de risco para não meter virus no computador

- não preciso de desfragmentar o disco rigido. No Linux não existe uma ferramenta semelhante e o nivel de fragmentação que se atinge é igual a quando desfragmentamos um disco com Window$ recém-instalado, ou seja, cerca de 4% de fragmentos

- as actualizações no Debian, no meu caso, são feitas de modo centralizado desde os repositórios, seja usando o programa synaptic, linha de comandos com aptitude, etc (assim  como em muitas outras Distribuições de Linux, se não mesmo em todas)

- não preciso de reiniciar constantemente o computador depois de actualizar programas instalados (ou mesmo só pelo facto de instalar), seja 1 programa ou 200 programas... a não ser que actualize o núcleo (kernel) do Linux

- não preciso de instalar programas tipo ad-aware, spybot search and destroy, registry cleaner, etc... e programas afins, que no final de contas só me enchem o computador de lixo como no Window$

- não preciso de instalar os remendos (conhecidos no Window$ como Service Packs) depois de fazer uma nova instalação do sistema, ou uma instalação limpa, coisa que no windows é tedioso e requer vários reinícios do computador

- Linux é bem mais estável que Window$. Se o sistema não responder, a maioria das vezes basta com "forçar" o fecho da sessão em curso e voltar a abri-la, o que não implica um reiniciar completo do computador, sendo mais rápido voltar a carregar o ambiente de trabalho. Mesmo quando o Linux não responde, incluso quando não nos deixa "forçar" o fecho da sessão, há uma combinação de teclas que obriga o sistema a fechar correctamente e reiniciar, ou até mesmo apagar se quisermos.

- até agora conservo o computador que tenho desde há mais de 5 anos, o meu Athlon XP 2600+, coisa que com Windows não conseguiria fazer, já que o rendimento não seria igual, no que toca á velocidade, ou até mesmo se quisesse instalar Window$ Vista (argh!), o meu computador iria muito mais lento, ou quem sabe, nem conseguisse instalar o Vista, obrigando-me a comprar outro computador, coisa a que me nego, acho um consumismo desnecessário ter de mudar de máquina para pôr o ultimo sistema operativo de moda e para que corra de maneira mais ou menos ( leia-se: menos) aceitável

- quando instalei o Debian, já trazia a maioria de programas que necessito para mandar correios, chat, processadores de texto, editores (vários), calculadora, navegadores Web (vários), reproductores multimedia (vários), coisa que no Window$ tenho de pôr quase tudo isto (refiro-me ao Window$ 2000 ou Window$ XP já que o Vista não quero nem vê-lo)

- instalar programas adicionais no Debian, seja desde os repositórios oficiais ou descarregados e compilados, não implica um arranque mais lento do computador.No Debian a velocidade de arranque é constante desde o primeiro dia. Isto acontece no Window$... segundo se vá adicionando programas, o registo do Window$ vai-se enchendo de "lixo" e cada vez que reiniciamos ou ligamos o computador, o arranque demora cada vez mais tempo... daí a necessidade de, quando usamos Window$, de fazer uma reinstalação completa do sistema cada 1 ou 2 anos (ou até menos, se instalamos todos os dias algum programa shareware), dependendo claro está do uso que lhe damos e da quantidade de programas que instalamos.

- não preciso de ter um firewall a correr sempre no sistema. No Window$ implica instalar um programa e tê-lo em memória sempre com os respectivos serviços sendo executados. No Debian instalei o firewall Firestarter (há vários, é apenas um deles), configura-se via interface gráfica como qualquer programa, e este vai escrever as normas no iptables, que é uma espécie de firewall que o Linux traz por defeito. Acto seguido o nosso firewall está configurado e não necessito ter sempre a correr o Firestarter, podendo fechá-lo. Posso voltar a abri-lo se desejo mudar a configuração de alguma das portas.

- até agora não encontrei programas como no Window$, que para instalá-los, preciso de instalar obrigatóriamente a barra de pesquisa de não-sei-quê-programa e sabe-se lá mais-o-quê....enfim, lixo e mais lixo

- existem por defeito os ambientes de trabalho, ou escritórios, virtuais... que podem ser 4, 5, 6, 7, 8... os que quisermos, podendo ter um fundo de écran diferente em cada um deles

- tudo é personalizável, desde os icones dos programas, o ponteiro do rato, os icones do menu principal, a organização do mesmo, a barra onde se encontra o menú K (uso KDE) seja a cor, altura, degradados se quisermos, as cores da janelas, decorações das janelas, estilo das janelas, os fundos das janelas, os icones das pastas de usuário, o écran de inicio de sessão, temas, os tipos de letra, cores... e algo mais que não me lembro ;-)

De certeza que há mais motivos, e devo dizer que nem tudo são rosas. Qundo comecei a usar o Debian, nem tudo era tão fácil como é hoje em dia. O Debian tem melhorado bastante e esperam-se mais melhoras ainda, no que diz respeito aos controladores ou drivers para as placas gráficas e placas WI-FI, se bem que as placas WI-FI vão tendo cada vez mais suporte técnico e cada vez são menos as que não funcionam em Linux.

Não é que o Linux seja mais dificil que o Windows. Simplesmente é diferente, e tudo que seja diferente áquilo que estamos habituados resultanos dificil. Se desde o primenro dia que tocamos um computador usássemos Linux não nos pareceria dificil.

Mas também o Linux anda na vanguarda. É o caso de ser o primeiro a incluir suporte para o novo formato de porta USB, concretamente o USB 3.0, que vai proporcionar mais velocidade de comunicação com os periféricos.

Tudo isto é um mundo, e se formos pesquisar usando o google, escrevendo na barra de direcções: http://www.google.com/linux , temos um buscador dedicado só para linux e acreditem que há muitíssima informação disponivel, que em 95 % dos caso pode resolver qualquer dúvida ou problema que possamos ter, isto claro há que saber usar as palavras adequadas ao problema ou dúvida que tenhamos, e saber também puxar pela cabeça quando assim nos fôr exigido. E existem também centenas de foruns que podem-nos dar uma ajuda com qualquer problema que tenhamos, mas não se esqueçam que é preciso ajudar para ser ajudado, não basta com ir a um forum dizer que temos um problema com X programa, sem especificar o problema ou erro que nos dá ninguém vai adivinhar e provávelmente o nosso pedido de ajuda vai passar despercebido.

Só gostaria de salientar que seja Linux, Window$, Solaris, etc seja o que fôr...desde que comecei com a informática tudo isto eram Sistemas Operativos. recentemente vejo por aí que lhes chamam Sistemas Operacionais... não sei porque carga d'água gostam de mudar o nome ás coisas, ou se se deve a um dos muitos acordos ortográficos que se faz por aí. Perdemos o que era do nosso Português, e isto não tem sentido, mas claro este é outro tema.


6 comentários:

  1. Boa tarde,

    Percebi no seu artigo que você é apaixonado no Linux... Isso faz sentido, visto que ele é um ótimo sistema operacional. Estou utilizando e com certeza é uma ótima ferramenta para servidores (Estou falando de LINUX). Em relação à estação de trabalho discordo completamente dos seus comentários. Não há, até agora, uma distribuição que chegue aos pés do Windows (não venham me falar do Ubuntu, pois já testei e não vi nele motivos para trocar meu Windows 7).

    1º) Não são intuitivas... ou seja, não é qualquer usuário que pode utilizar!!

    2º) Não é tão estável quanto você diz... Fiz testes instalando um caminhão de tranqueiras e a máquina ficou SIM mais lenta na inicialização e no uso convencional. O Windows tem um sistema inteligente que “aprende” de acordo com suas ações, ou seja, todo programa que você utiliza com mais frequência ele faz um tipo de “indexação” que agiliza a abertura ou qualquer operação executada com este aplicativo no futuro... e isso é feito também no processo de boot, ou seja, dizer que o Windows fica mais lento na inicialização, é MITO!!!

    3º) Você disse no artigo a frase "na maioria das vezes" diversas vezes... ou seja ele não é tãããão 100% assim como vocês dizem...

    4º) Em relação à atualizações, não tem como ser mais fácil e prático quanto o Windows, sem falar que a quantidade de atualizações que eu preciso baixar após a instalação do sistema é relativamente baixa em relação ao Debian, por exemplo, distribuição esta que é colocada em mídias de CD dando uma falsa impressão de que o sistema é leve. Mas na tela de instalação, quando selecionamos os itens a serem instalados, se a conexão com a internet for automática (DHCP) aí ferrou... ele baixa um caminhão de atualizações da internet, ou seja, tudo que deveria ter sido colocado na instalação, fica na internet!!!! Outro fator que faz com que o sistema de atualizações seja furado é o fato de que nem todas as atualizações são armazenadas nos espelhos (mirrors) configurados. Por exemplo, depois de instalar o Debian, como não gosto do sistema de permissões do CHMOD, tentei instalar o ACL. Ao executar o comando para instalação recebi uma mensagem dizendo que o pacote não foi encontrado!!! Entrei na internet para descobri r o que estava acontecendo e então vi que o problema estava no espelho (mirror), que na verdade não tinha este pacote!!! Tive então que atualizar o arquivo sources.list (arquivo responsável por armazenar os endereços de espelhos (mirrors) da distribuição). Ou seja, isso é feito para usuário final??? De jeito nenhum, um usuário final não saberia nem da existência do arquivo sources.list (na minha opinião nem é necessário saber).

    No Windows, até versões mais básicas do sistema (com suporte à NTFS) já tem por padrão um perfeito sistema de permissões, não sendo necessário instalar nada!!!. Agora pense bem, instalo um sistema operacional que vai ser meu file server e não consigo dar as devidas permissões porque não tenho um programa instalado???? isso é básico, tem que vir no sistema... Ah.... me esqueci, o Linux tem que ser leve!!!

    5º) Em relação à personalização, nem sei porque você colocou isso... não faz sentido... O Windows é tão personalizável (se não for mais) quanto qualquer distro, e isso há muuuuito tempo...

    6º) Existem sim, muitos programas que instalam diversas barras de ferramentas inconvenientes no Windows, mas se você LER AO instalar e não ficar clicando em Next, next, finish, vai ver que em algum ponto você pode escolher se vai ou não instalar tal barra...

    ResponderEliminar
  2. Olá Eder Pardeiro,

    Primeiro que tudo, agradeço o seu comentário.

    Você diz que já testou o Ubuntu e que ele não chega aos pés do Windows. Pessoalmente prefiro o Debian, não acho o Ubuntu tão estável (embora mais acessível), mas isso são gostos e experiência pessoais. Agora que não chega aos pés do Windows 7, isso é relativo. O WIndows 7 tem coisas boas e que foram melhoradas em relação aos seus predecessores, principalmente o Windows Vista, mas o Ubuntu por si só vale por aquilo que tem. E é grátis.
    Você fala em trocar o Ubuntu pelo Windows 7 ? Não é preciso, você pode instalar o Ubuntu ao lado do Windows 7 (ou qualquer outra versão de Windows sem problema nenhum) e ficar com um arranque dual (ou dual-boot). Um deles pode complementar o outro se preferir. Mas isso são opções, é claro.
    Mas também, e veja a data na qual foi escrita esta mensagem aqui no linux&vidalivre...23 de Junho de 2009. O Windows 7 foi lançado a 22 de Outubro de 2009 segundo a Wikipédia, ou seja, uns meses depois.

    1º) "Não são intuitivas... ou seja, não é qualquer usuário que pode utilizar!!"
    Você diz que não são intuitivas... refere-se ao sistema operativo em geral ou aos programas ? É claro que, para quem sempre usou Windows, as "coisas" numa Distribuição Linux são diferentes, e diferente não quer dizer que as "coisas" não estejam lá ou que não funcionem. É certo que o Ubuntu ou outros não são perfeitos, ... e o Windows é ?

    2º) Você diz que a sua máquina ficou mais lenta depois de instalar um monte de coisas. Sim, pode ser que isso seja possível, considerando que você tenha instalado serviços desnecessários e não os tenha desactivado posteriormente. Pela minha experiência, e actualmente uso Debian Squeeze, tenho bastantes programas instalados, mesmo muitos, e não vou aqui referir quais nem fazer uma lista, mas se lhe disser que a minha partição /home ocupa +-90 Gb e tenho outra de 40 Gb só de /root, mas que não chega á metade desses 40 Gb... E sim, nao noto nenhuma lentidão no arranque fora do normal (incluso diria que arranca igual de rápido como e desde o primeiro dia). Como tal, discordo plenamente desse argumento seu e não o acho credível.
    Quanto á "indexação" que você diz que existe no Windows que faz os programas arrancar mais rápido, sim é verdade, ela existe. No Debian e derivados isto também existe, e o demónio que controla essa acção chama-se preload.
    Agora você diz que isso do Windows ficar mais lento na inicialização é um mito... Se eu agarrar numa instalação "virgem" de Windows XP, por exemplo, ele arranca mais rápido que nunca. Começamos a instalar isto, mais aquilo, mais o outro programa.... começa a encher o registo do Windows, e verá que o arranque do Windows cada vez demora mais tempo. Vai dizer que isso é um mito também ? Só se você tiver uma máquina mesmo boa, tipo um quad core, ou algo pelo estilo, e mesmo assim duvido que não dê para notar diferença.

    "3º) Você disse no artigo a frase "na maioria das vezes" diversas vezes... ou seja ele não é tãããão 100% assim como vocês dizem.."
    Pois é amigo, quando eu digo "na maioria das vezes" é o que eu quero dizer mesmo, e apenas, "na maioria das vezes". Chamemos as coisas pelos nomes, e neste caso como é a minha opinião, acho melhor dizer "na maioria das vezes". De outra maneira usaria a palavra "sempre", mas lá está, você está a interpretar á sua maneira e avança com um "100%"... quanto ao "assim como vocês dizem", aqui no blogue sou só um, e você não me verá em nenhum forum atacando gente "de Windows". Enganou-se na expresso, sinto muito. Se você como diz, usa linux, e tem algo de amor por ele, não atire pedras no vizinho se tem telhados de vidro. Continua->

    ResponderEliminar
  3. 4º) As actualizações no Windows são mais rápidas ? Que eu saiba, as únicas coisas que o Windows pode actualizar sao compnentes do sistema, navegador Internet Explorer, MSN, e productos derivados da Microsoft. No Debian e seguramente em qualquer boa Distribuiçao de Linux, Desde o Synaptic ou o Gestor de Aplicações por defeito, você pode actualizar e sistema e tudo o que foi instalado através do mesmo. E reiniciar a máquina normalmente só é necessário quando é actualizado o Kerner, ou núcleo do Linux, e mesmo assim nem sempre. No Linux posso actualizar programas (e vários ao mesmo tempo) mesmo tendo-os abertos e depois de actualizar não tenho que fechar e abrir esse programas para continuar a usá-los (salvo excepções é claro, e olhe que não sou fundamentalista ;-)). Ainda acha que é mais rápido no Windows ?
    Quanto ao ACL, nunca tive necessidade de usá-lo, mas sei que está nos repositórios do Debian, e olhe que o mirror mais perto nem sempre é o melhor ou mais rápido. Quanto a saber como manejar o ACL, existe informação disponível a ser consultada, e como disse já que nao tenho experiência, não tenho necessidade de criar uma mensagem sobre o ACL, pelo menos por agora.

    Quando você diz:
    "No Windows, até versões mais básicas do sistema (com suporte à NTFS) já tem por padrão um perfeito sistema de permissões, não sendo necessário instalar nada!!!. Agora pense bem, instalo um sistema operacional que vai ser meu file server e não consigo dar as devidas permissões porque não tenho um programa instalado???? isso é básico, tem que vir no sistema... Ah.... me esqueci, o Linux tem que ser leve!!!"
    Pode reclamar com o pessoal que cria e desenvolve o Debian. Mas se você quer um file server, é provável que ele não venha instalado por defeito numa instalaçao normal (ou básica) para uma estação de trabalho. Instale o pacote que lhe falta e já está ;-)

    "5º) Em relação à personalização, nem sei porque você colocou isso... não faz sentido... O Windows é tão personalizável (se não for mais) quanto qualquer distro, e isso há muuuuito tempo.."

    Tem a certeza disso ? Tenha como exemplo o ambiente de trabalho (ou DE) KDE. Você consegue fazer o mesmo que faz no KDE no Windows... sem ter de instalar programas de terceiros para fazê-lo ? Diga como é... mas na verdade como QUASE não uso o Windows não me importa muito.

    "6º) Existem sim, muitos programas que instalam diversas barras de ferramentas inconvenientes no Windows, mas se você LER AO instalar e não ficar clicando em Next, next, finish, vai ver que em algum ponto você pode escolher se vai ou não instalar tal barra..."

    Infelizmente acontece, e muito boa gente não repara nesses pequenos detalhes. E quando deram por eles já lá estão metidos, enfim... No Linux não tenho de preocupar-me com isso, felizmente. Da mesma maneira que no Windows quando acontece um erro de X de um componente do Windows, aparece-lhe uma menagem de erro a perguntar que vai ser enviado um "relatório anónimo" á Microsoft, e você faz clique no botão para ver o relatório e aparece uma descriçao da sua máquina, direcção IP, etc. Anonimato ? lol

    Podíamos continuar a fazer comparações, e as comparações por vezes são odiosas. Mas pagar, ou ter de piratear, o sistema operativo, programas afins, serials, cracks, desfragmentar o disco, antivirus, malware, etc... não obrigado, não tenho necessidade de nada disso.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  4. Ah quanto ao pacote ACL, você podia ter contado de outra forma, já que pelos vistos você estava usando uma versão mais antiga da sua Distro tal e como se vê em http://www.pcforum.com.br/cgi/yabb/YaBB.cgi?num=1287103785/4
    O Linux não é tão mau assim como você pode quere fazer parecer. Ele SIM é diferente ao Windows.

    ResponderEliminar
  5. É... você me convenceu em alguns pontos, tem ótimos argumentos. Mas de qualquer forma, na minha opinião, nenhuma distro AINDA, pode substituir o Windows.

    Em relação ao Windows ficar mais pesado, assim como você disse que no Linux deve ter ficado algum serviço desnecessário configurado, no Windows também...

    Em relação ao ACL, é apenas um exemplo, pode até haver alguma distro que vem com ele instalado por padrão, mas de qualquer forma, vai ficar faltando alguma outra coisa, pois cada distro é muito específica para alguma coisa, e nenhuma, pelo menos que eu conheça (estou baixando o Linux Mint para testar), é voltada para o usuário... Não tem a facilidade que o Windows tem. Por coincidência, essa semana um cliente me ligou querendo que eu configurasse um diretório na rede doméstica dele para que outros computadores não o acessassem pelo compartilhamento. Expliquei que se ele clicasse com o botão direito do mouse neste diretório, fosse em propriedades e em seguida na guia Segurança, ele poderia fazer as modificações facilmente.
    Fiquei preocupado, pois achei que ele não fosse dar conta e liguei horas depois... Estava configurado!!!!

    O Windows Update não atualiza só o Windows... ele atualiza todos os aplicativos (da Microsoft é claro), que estiverem instalados... Aplica atualizações de versão para aplicativos como o Media Center, Internet Explorer, Media Player, SilverLight e atualizações de correção de erros e segurança para todos os outros pacotes que não são gratuitos...

    Ah... e desculpe se os comentários pareceram agressivos, não é essa a intensão...

    ResponderEliminar

É favor manter a boa educação nos comentários. Qualquer comentário ofensivo, racista, desprestigioso, apenas com objectivo de inundar o blogue ou comentários de publicidade não solicitada serão eliminados. Serão aceites comentários em Português, Espanhol e Inglês. Comentarios en Portugues, Español y Ingles seran aceptados. Comments in Portuguese, Spanish and English will be accepted.

Notícias GNU/Linux